Arte na escola, por quê?

0
Criado em 12 de Abril de 2013 Cultura
A- A A+

Por Domingos de Souza Nogueira Neto*

Mãozinhas sujas de tinta e bandinhas com instrumentos improvisados. É assim o começo da vida de estudos. No jardim de infância – nome poético antes usado para os primeiros anos na escola –, o que marca a qualidade do ensino é a felicidade dos alunos. Os jovens estão felizes com o tratamento dado aos seus sentimentos e é através da magia da arte que eles são tocados no início da vida escolar

 

É palpável a sensação de que no caminho algo se perdeu. As obrigações duras e a insistência em rotular a “inteligência” massacram a autoestima dos alunos. A escola deveria transformar o ensino, menos em sofrimento, e mais na alegria da descoberta, mantendo o vínculo estabelecido na infância. Continuar com a educação artística, que ensina a conhecer e a expor os sentimentos, a dar vazão a eles, e permitiria ao aluno decidir o que gosta ou não.

Mão suja de tinta, início da vida de estudos na infância

A arte mostra como expressar o mundo conhecido e como criar universos desconhecidos, a fazer diferente ou tornar igual. O momento da produção e da interpretação das obras de arte é especial. Nele, as capacidades lógicas, matemáticas e cognitivas se reconciliam com os sentimentos, levando ao devaneio e ao distanciamento do cotidiano, situações importantes para a saúde da vida intelectual.

Aqueles que aprendem a gostar da arte adquirem, aos poucos, certa capacidade de escapar do julgamento social e de transcender àqueles que insistem em “medir” a intelectualidade. E essa habilidade vai valer para toda a vida.

Charles Chaplin em “Tempos Modernos"
 
O poder da atividade artística na pacificação das emoções é tão grande que Antonin Artaud, referindo se à vida e à obra do pintor Van Gogh, refletia:

“Ninguém alguma vez escreveu ou pintou, esculpiu, modelou, construiu ou inventou senão para sair do inferno”.

Dramaticidade à parte, a arte é mesmo um caminho para evitar as tragédias humanas. Ela é avessa à monotonia – que, como a própria etimologia indica, vem de “(mono) tom”, isto é, um único tom –, porque lida com a diversidade, a alteridade e a inconformidade. A beleza do bem artístico está no estranhamento que produz, em sua habilidade de ser diferente dele mesmo, em um infinito de sons, cores, estilos e formas. Gustave Flaubert dizia: “A igualdade é a escravatura. É por isso que amo a arte. Aí, pelo menos, tudo é liberdade neste mundo de ficções”.

Os pintores clássicos e do Renascimento certamente não aprovariam o surrealismo ou o impressionismo, mas toda forma de arte é capaz de ocupar e defender o seu espaço. E, no fim, a monotonia é vencida pela diversidade, ou, como canta Lulu Santos: “Nada do que foi será / de novo do jeito que já foi um dia / tudo passa, tudo sempre passará / A vida vem em ondas, como um mar / num indo e vindo infinito”.

A educação artística ajuda a formar a inteligência emocional, indispensável para o bem-estar, para as relações humanas e para o sucesso profissional. Nesses tempos em que se discutem quais devem ser as disciplinas da escola e o ensino deve ser em tempo integral, é importante que se garanta o ambiente escolar como espaço de valorização humana, de respeito e de felicidade.

O ensino da arte diz, então, da própria forma de afirmação do aluno no ambiente escolar, através da compreensão de que é sendo diferente que é possível ser feliz, porque nenhuma felicidade sobrevive na monotonia e no regramento excessivo. Lembrando Máximo Gorki, na obra “Carta aos Jovens Escritores”:

“o talento desenvolve-se no amor que pomos no que fazemos. Talvez até a essência da arte seja o amor pelo que se faz, o amor pelo próprio trabalho”.

 

*Estudioso de psicanálise, crítico de arte e cultura

domingo_nogueira_consultoria@yahoo.com

 

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.