A Arte a flor da pele

POR Domingos de Souza Nogueira Neto*

0
Criado em 18 de Setembro de 2014 Cultura

Fotos: Reprodução Internet

A- A A+

A HUMANIDADE PINTA QUADROS, faz escul­turas, obras arquitetônicas e a capacidade de representar sentimentos através da arte é ilimitada. O homem é um animal maravilhado por suas potencialidades, mas o preconceito – adversário da razão – nos impede de ver que nossos próprios corpos são substratos para obras de arte cada vez elaboradas e perfeitas, tais como as tatuagens, os piercings e mesmo as pinturas. E que essas obras sejam talvez mais raras, porque estão condenadas a desaparecer com os seus donos.

Existem evidências de tatuagens e piercings com mais de 5.000 anos. A evidência mais forte de tatuagens pré­-históricas estão em uma múmia encon­trada nos Alpes Tiroleses. Ela tem mais de 5.000 anos e tinha, pelo menos, 57 tatua­gens que se imagina terem sido medici­nais. Elas foram encontradas em pontos de acupuntura. Em múmias, que foram achadas entre a Rússia e a China e têm cerca de 2.400 anos de idade, as tatuagens eram de animais e monstros e acredita-se serem decorativas e terem fins mágicos.

A tatuagem era usada no Egito de 2000 a 3000 a.C. As múmias encontradas a partir desta época eram mulheres que tinham tatuagens em suas barrigas. Acre­dita-se terem propósitos de fertilidade e para homenagear as divindades femi­ninas. Do Egito, a tatuagem se espalhou pelo mundo. O Maori (Nova Zelândia) criou o “moko” de rosto inteiro, que mos­trava o seu status, sua linhagem e suas as­sociações tribais. Em Bornéu, a tatuagem tem sido uma prática há milhares de anos e as tribais tradicionais ainda são feitas hoje. Na Índia e na Tailândia, elas foram colocadas sobre o corpo por monges que incorporavam poderes mágicos. As mu­lheres eram excluídas.

Os antigos gregos aprenderam a tatua­gem dos persas e passaram para os roma­nos, que as usavam como castigo. Celtas usaram pintura corporal permanente para simbolizar as jornadas da vida. Acredita­-se que os vikings eram tatuados, mas há pouca evidência científica para apoiar essa teoria. Em 1700, a tatuagem se tor­nou uma tradição na Marinha britânica.

Os aborígenes da América do Sul e Central usaram tatuagens desde pelo me­nos o século XI. Os maias a usavam como sinal de coragem. Na América do Norte, os grupos indígenas faziam tatuagens para simbolizar o sucesso como guerrei­ros, estado civil e identificação do grupo. Nova York, nos Estados Unidos, teve a pri­meira loja de tatuagem em 1846.

Existe uma diferença importante para se considerar quando pensamos na arte feita no corpo. Quando um artista esculpe, faz a pintura de uma tela ou trabalha so­bre qualquer espaço inanimado, ele toma como referência apenas os seus próprios sentimentos e desejos. Mas ao trabalhar sobre um corpo humano, ao contrário, a principal referência é o desejo da “tela”.

Como em qualquer expressão artísti­ca, no entanto, ainda que materializada a partir do desejo daquele no qual a obra é realizada, existe todo tipo manifestação, desde obras delicadas de flores, pássaros, homenagens feitas a amores (e, cuidado, porque alguns amores são finitos), brin­cos e piercings sutis, até obras sofistica­das e agressivas aos conceitos cotidianos de moral, que criam paisagens assustado­ras e escandalosas.

É interessante notar ainda que, nessa relação tão rica entre o homem e a sua imagem, o uso dessa arte feita no corpo pode simbolizar e concretizar um desejo de transformação em nossas relações so­cioafetivas e pode, realmente, mudar os nossos próprios comportamentos sociais e os dos outros em relação a nós.

O que quero dizer – com certo temor de decair em preconceito – é que uma pessoa doce e tímida que tomar a decisão de bifurcar a língua, cobrir-se de piercings e tatuar toda a pele com monstros, criatu­ras aterrorizantes e fantásticas pode estar e, provavelmente estará, se transforman­do em uma bela obra de arte, mas emiti­rá um grito de que já não suporta aquela imagem anterior, que talvez até a odeie, dirá que já não pertence “à mesma tribo”. E isso será uma mudança importante na vida, definitiva também, porque somos apenas a nossa imagem.

* Crítico de arte, estudioso de direito, filosofia, sociologia e de psicanálise e professor de judô – domingos_nogueira_consultoria@yahoo.com.br. 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.