Corrente do bem

Bom exemplo

0
Criado em 14 de Setembro de 2015 Bom Exemplo
A- A A+

Conheça cinco mulheres que transformaram a luta contra o câncer em solidariedade e se tornaram fonte de esperança para muitos

Luna Normand

A ESTUDANTE Thamara Paola Quirino, 23 anos, descobriu que tinha câncer em março de 2014, após quase dois anos sen­tindo mal-estar, pressão alta, enjoos e dis­funções hormonais. Depois da confirma­ção do diagnóstico vieram os dias de luto, os questionamentos e o início da luta. Em vez de se esconder e enfrentar tudo so­zinha, no entanto, ela preferiu comparti­lhar seu tratamento em um blog e tentar ajudar outras pessoas na mesma situação.

Atitudes como essa são cada vez mais comuns em nossa sociedade. Transformar a dor em solidariedade e fonte de espe­rança tem se tornado projeto de vida de gente que busca amenizar o sofrimento de doentes e familiares com a simples tro­ca de informação e um pouco de afeto e de atenção.

Thamara escreve diariamente sobre dicas de eventos, cuidados com o corpo e a pele, alimentação e maquiagem, mas são suas amarrações de lenços que fazem sucesso na internet e entre pacientes com câncer. “Ao colocar a peruca pela primei­ra vez, eu me senti muito desconfortável, incomodada. Ela arranhava o couro cabe­ludo, que estava muito sensível. E outro fator ruim foi a sensação de ‘mentira’ que eu senti quando me vi usando uma. Todos decidi assumir isso de uma forma muito natural”, conta.

A ideia de criar o blog surgiu após ela compartilhar esses e outros momentos nas redes sociais, demonstrando que é possível, sim, manter a autoestima ele­vada mesmo com a quimioterapia. Para colocar o projeto em prática, Thamara teve a ajuda da irmã, Polly Quirino, e das amigas Vanessa Luiza, responsável pelas artes gráficas e pelas fotografias, e Thaíse Lopes, pelas maquiagens. "Meu objetivo é motivar mulheres com a autoestima baixa, em tratamento de câncer ou não, a se cuidarem. Procuro mostrar a elas que é possível estar bem consigo mesma em todos os momentos e que não é porque estamos sem cabelos e com a pele mais sensível que não podemos ficar lindas. Claro que podemos!”, afirma.

O trabalho tem rendido bons fru­tos. Com menos de 30 dias no ar, o site (www.thamaraquirino.com.br), lançado em julho, já contabilizava mais de 3.000 acessos. Além disso, ele tem rendido participações de Thamara em programas de televisão, como o “Moda & Estilo”, da Globo Minas, bem como publicações de textos em diversas mídias e muitos compartilhamentos em outros blogs que abordam a luta contra o câncer. “Muitos pacientes, seus familiares e mesmo pes­soas que não estão doentes fazem ques­tão de enviar depoimentos de histórias e agradecem pela motivação que recebem com meus posts. Me sinto muito feliz. Re­presenta uma missão e me traz muita gra­tidão. A cada nova história que conheço, me sinto ainda mais motivada a continuar lutando pela minha vida e incentivando outras pessoas a também lutarem. Perce­bo que, por mais árdua que seja a batalha, é o modo como você a enfrenta que faz a diferença”, ressalta.

Thamara Quirino faz planos para o futuro. Entre os projetos estão parceiras com instituições para a divulgação de eventos, arrecadação e distribuição de lenços, além da oferta de cursos de ma­quiagem para pacientes. “Também estou e preparando um espaço para receber convidados, fazer vídeos e continuar le­vando a motivação aonde ela for necessá­ria”, antecipa a blogueira.

DOAÇÃO

Foi a partir da perda de pessoas que tanto amava que a jornalista Flávia Freitas, 32, resolveu levantar a bandeira da soli­dariedade e ajudar o próximo por meio de uma ação de cidadania. Ela é idealiza­dora da Quinta do Bem, campanha que, há quatro anos, incentiva o cadastro de medula óssea e contribui para aumentar as chances de salvar a vida de pacientes que precisam do transplante.

Flávia acompanhou e sentiu toda a dor do câncer duas vezes: a primeira, quando o irmão mais velho, Anderson, morreu ví­tima da leucemia, 15 anos atrás. Em 2011, foi a vez da prima dela, Ana Paula, perder a batalha para a mesma doença. “A campa­nha, criada em Betim, teve o objetivo de encontrar um doador que pudesse salvar a vida de Ana Paula e de outras pessoas que precisam do transplante. A ideia sur­giu no dia em que minha prima soube que não tinha doador compatível na família. O dia era uma quinta-feira. Por isso, o nome Quinta do Bem”, explica.

Desde então, o gesto de solidariedade se tornou missão para a jornalista. Todas as quintas-feiras, ela propõe a dezenas de mulheres o uso do lenço na cabeça e a homens, o uso de uma fita vermelha no braço, que são os símbolos da campanha. Para divulgar a ação, as pessoas postam e compartilham nas redes sociais as fotos usando os acessórios.

A adesão à campanha foi imediata, e a Quinta do Bem ganhou apoiadores e voluntários de várias partes do Brasil e até exterior, uma página no Facebook e um blog, o ocomuniquebem.blogspot.com. “A Quinta do Bem é uma campanha social, voluntária e sem fins lucrativos. As ações realizadas contam com o apoio de familiares, amigos, seguidores da campanha, empresas e instituições”, afirma Flávia.

Com o crescimento da campanha, a jornalista passou a receber convites para palestrar voluntariamente em escolas, universidades, empresas e instituições. Foi numa dessas palestras que ela teve a ideia de transformar a história da campanha em revista em quadrinhos, “A Liga da Quinta do Bem”, a primeira de Minas Gerais que transforma a luta contra a leucemia em animação. “Os primeiros exemplares para o lançamento foram impressos com recursos próprios. A história retratada na revista narra casos de meu irmão e da minha prima, que, infelizmente, faleceram por causa da doença. Seu formato lúdico e didático busca divulgar a importância da doação de medula óssea e também sensibilizar e informar as crianças e os jovens sobre o cadastro de doadores feito nos hemocentros, contribuindo para que o público infantojuvenil seja multiplicador da campanha”, diz.
 
O reconhecimento da Quinta do Bem veio no ano passado, com a indicação de Flávia Freitas para o Prêmio Bom Exemplo, uma iniciativa da Globo Minas, em parceria com a Fundação Dom Cabral, a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e o jornal O Tempo, a condecoração com a comenda mérito da Saúde do Estado de Minas Gerais como cidadã voluntária parceira do SUS e o convite para ser madrinha do Outubro Rosa. Apesar dos prêmios, ela diz que a participação e o apoio das pessoas são o que fazem a campanha acontecer. “Digo que a Quinta do Bem não é da Flávia, é de todos que participam dela, porque a gente não faz nada sozinho. A Flávia, pela história familiar, passou a ser um agente de mobilização, mas a campanha se faz por todos que abraçam a causa”, salienta.
 
E de onde vêm a força e a inspiração para continuar? “Desses encontros e experiências que a Quinta do Bem me proporciona. São muitas histórias emocionantes, e já não consigo mais mensurar quantas pessoas fizeram o cadastro, são centenas. Torço para que a campanha possa tocar e sensibilizar cada vez mais pessoas para essa causa”, comemora.
 
CONHECIMENTO QUE SALVA VIDAS
 
 
Que tal uma aula sobre câncer de mama? É o que propõe o grupo Pérolas de Minas, criado, em março, por três mu­lheres que compartilham a mesma histó­ria: elas venceram o câncer de mama. Foi assim que a administradora Ana Carolina Calabró, 40 anos, a confeiteira Denise Paiva, 38, e a administradora Maria Luiza de Oliveira, 53, se conheceram e decidi­ram, por meio das próprias experiências, falar sobre a doença para mulheres em tratamento ou não. “Depois da supe­ração, sentimos a necessidade de levar palavras de apoio, informação e nossos depoimentos para as pessoas. A maioria não tem nenhum conhecimento sobre o câncer de mama. Sendo assim, fica mui­to difícil entender o que irá acontecer durante o tratamento e quais são os di­reitos que temos nesse período”, afirma Maria Luiza.

As três promovem, por conta pró­pria, lanches em casas de apoio, onde falam da vida pós-tratamento e da im­portância da detecção precoce da do­ença, além de darem dicas para quem está passando pela quimioterapia. “Alertamos as mulheres sobre sintomas, como nódulo endurecido e inversão do mamilo, e a respeito da importância de se fazer a mamografia. É ela que vai identificar algum problema. Esse é o exame indicado pela Sociedade Brasilei­ra de Mastologia, e, diante de qualquer dúvida ou alteração, recomendamos procurarem o médico”, contam.

O Pérolas de Minas participa de projetos que visam arrecadar fundos para instituições que acolhem pacien­tes com câncer, como o recente Bazar MMartan, em Belo Horizonte, que teve parte da renda revertida para crianças em tratamento do câncer acolhidas pela Casa Aura. “O grupo é a realização de um sonho, e o retorno é o melhor possível. É muito bom ler ou ouvir al­guém dizer que você o ajudou esclare­cendo a doença e, com isso, diminuir o medo. É um amor incondicional poder ajudar o próximo a enfrentar esse mo­mento de dor, que nos deixa frágeis e debilitadas. Acredito que isso seja com­partilhar amor”, diz Maria Luiza.

Ela lamenta, no entanto, a falta de empenho e visão de algumas institui­ções e empresas, que só procuram o grupo por ocasião da campanha Outu­bro Rosa, realizada, todos os anos, no mês de outubro. “É uma pena, pois a doença surge todos os dias. Um alerta para a detecção precoce pode salvar uma vida”, destaca.

Exatamente para levar informação a muito mais mulheres, Maria Luiza já vislumbra novos caminhos. “Quere­mos tornar o projeto um instituição jurídica e, depois, abrir uma casa de apoio a mulheres em tratamento”, re­vela. Por enquanto, o acesso ao Pérolas de Minas pode ser feito apenas pelo Facebook ou por e-mail (perolasdemi­nasgerais@yahoo.com.br).

 

SERVIÇO

Como saber mais sobre esses projetos:

Thamara Quirino

(www.thamaraquirino.com.br)

Quinta do Bem

(comuniquebem.blogspot.com) ou pelo Facebook

Pérolas de Minas

(perolasdeminasgerais@yahoo.com.br) ou pelo Facebook

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.