A EMERGÊNCIA DE MARIANA/MG

Artigo

Criado em 16 de Dezembro de 2015 Atualidade

POR CARLA NÚBIA NERY OLIVEIRA*

A- A A+
AS BARRAGENS DE FUNDÃO E SANTARÉM, da mineradora Samarco, estão localizadas entre Mariana e Ouro Preto e se romperam na tarde de 5 de novembro último, liberando uma onda de lama que teria chegado a 2,5 m de altura.
 
Dias após o rompimento dessas barragens de rejeitos de minério, no distrito de Bento Rodrigues, pertencente a Mariana, ficam as imagens do desastre que se estendeu por vários quilômetros, indo de Minas Gerais ao Estado do Espírito Santo. Considerado o maior desastre ambiental do Brasil nos últimos anos, possui dimensão inimaginável em relação a impactos na natureza.
 
A empresa responsável pelo sinistro opera o complexo de barragens na região, e suas acionistas são a brasileira Vale (antiga Vale do Rio Doce) e a anglo-australiana BHP Billiton. Todas elas têm anunciado medidas de emergência para atender às populações locais e tentar reparar os já inúmeros danos causados ao meio ambiente. Todavia, percebe-se que as medidas são poucas diante das consequências do ocorrido.
 
Várias notas foram publicadas pela Samarco, em sua página oficial na internet, e apenas duas mencionaram "investigações e estudos" sobre as causas do rompimento da barragem de Fundão. Lembrando que, desde 2013, o Ministério Público (MP) de Minas Gerais havia denunciado o risco de algo assim acontecer. E as medidas de prevenção não foram adotadas, nem mesmo aquelas de aviso à população sobre algum desastre.
 
É por esse motivo que a Samarco já recebeu multas preliminares do Ibama e assinou termos, também preliminares, com os Ministérios Públicos dos Estados de Minas e do Espírito Santo – e, mais recentemente, com o Ministério Público Federal. Nesses documentos, a empresa se compromete a realizar ações de emergência, de reparação e de prevenção nas regiões aonde a lama chegar.
Nesse sentido, a Polícia Federal determinará, por inquérito, se o rompimento da barragem foi um crime ambiental – artigo 54, § 2º, incisos I, II e III, e 62, da Lei nº 9.605/98.
 
De toda forma, a Samarco terá de responder às exigências dos MPs de ambos os Estados e será parte em diversas ações cíveis, judiciais individuais e coletivas de pessoas afetadas direta e indiretamente pela tragédia.
 
O desafio agora é coordenar esforços e reunir os dados para poder se estimar o tamanho das perdas e o tipo de ressarcimento – em dinheiro (indenizações) e em ações de recuperação – que será preciso cobrar das empresas envolvidas.
 
Os problemas são imensuráveis, pois, além das mortes de moradores daquela região e dos danos materiais e históricos das cidades atingidas, há ainda os animais silvestres dizimados, as espécies nativas e raras de peixes que morreram, a poluição da água, tendo sido o Rio Doce o mais afetado.
 
Segundo ecologistas, geógrafos e gestores ambientais, pode demorar décadas, séculos para que os prejuízos ambientais sejam revertidos, pois a lama que se espalhou por tantos quilômetros impede que a matéria orgânica cresça. Uma das consequências do desastre que já estão ocorrendo é o assoreamento, acúmulo de sedimentos na calha dos rios, gerando impactos socioeconômicos e ambientais. O próprio Ibama afirmou que houve alterações nos padrões da qualidade da água.
 
Em cidades como Governador Valadares e Colatina (MG), que tiveram o abastecimento de água temporariamente suspenso por causa da passagem da lama, a Samarco foi obrigada a fornecer água potável, porém a “distribuição” gerou muitas reclamações.
 
No dia 16 de novembro, a Samarco assinou um acordo com o MP e concordou pagar R$ 1 bilhão para começar a compensar os danos materiais e ambientais. A Justiça determinou, inicialmente, o bloqueio de R$ 300 milhões da empresa para os ressarcimentos. A intenção é fazer com que os prejuízos sejam completamente reparados com ações como limpeza, resgate de animais e reconstrução de casas. Se a empresa for condenada a pagar uma indenização coletiva, o dinheiro irá para um fundo destinado a ações de melhoria da qualidade ambiental. Sendo assim, os moradores podem ganhar uma indenização por seus danos pessoais, inclusive em caso de morte de parentes, podendo eles pedirem o pagamento de pensões às famílias das vítimas.
 
Por fim, o prefeito de Mariana, Duarte Júnior (PPS), durante audiência pública na Câmara dos Deputados, no dia 18 de novembro, voltou a solicitar que a mineradora Samarco seja responsabilizada pelo ocorrido e destacou que a empresa era a principal fonte de recursos da cidade, por conta da arrecadação tributária. Por isso, os prejuízos se estenderão ao setor econômico do município, afetando investimentos em diversas áreas, desde a saúde e a educação até a administração municipal, prejudicando os próprios funcionários públicos.
 
* Advogada OAB/CE e-mail: carlanubianery@gmail.com
Especialista em direito constitucional aplicado e direito tributário



AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.