A nobre arte da Cutelaria

POR Domingos de Souza Nogueira Neto*

0
Criado em 08 de Outubro de 2014 Cultura

Fotos: Divulgação

A- A A+

AO SE AFASTAR DA IDADE da pedra e iniciar o período da dominação do fogo, a huma­nidade aprendeu a manipular os metais. A evolução dessa arte para a construção de utensílios, ferramentas e armas foi defini­tiva para a sobrevivência e a evolução da espécie humana. Dentro disso, a cutela­ria, armiaria ou armoaria é a arte ou ofício do cuteleiro ou cutileiro, armiário, armo­ário ou acerador, ou seja, a pessoa que fabrica ou vende instrumentos de corte. São produtos da cutelaria, portanto, es­padas, adagas, facas, facões, machados, punhais, navalhas e todos os utensílios metálicos de corte.

Na história dessa arte, praticada, an­tigamente, por pessoas humildes, que se ajoelhavam diante de reis, temos as lendárias katanas (pronuncia-se cata­nás); as espadas de Toledo, dos nossos romances medievais, os punhais feitos para príncipes e princesas e os espada­chins lendários.

A história dessas lâminas começou com o cobre, passou pelo estanho, bron­ze e ferro – que queimava a temperaturas mais baixas na fundição. Porém, com o desenvolvimento das técnicas de uso do fogo, das ligas metálicas e da dobradura do metal (inicialmente, com bigorna e martelo), surgiram várias qualidades de aço e peças cada vez mais expressivas.

Em todos os países do mundo, atual­mente, realizam-se periodicamente en­contros em que mestres cuteleiros apre­sentam suas principais peças. No Brasil, o mais importante é a Mostra Internacional de Cutelaria, promovida anualmente em São Paulo e que em sua última edição reuniu nomes como Dionatam Franco, Celso Luiz Fernandes, Rodrigo Sfredo, Silvana Mouzinho, Sandro Boecck, Ricar­do Vilar, Alessandro Cicliani, André Klen, Cássio Becker, Facundo Montenegro, Luiz Gustavo Gonçalves, Marcos Cabete, Ro­naldo Francescchi, Tiago Silva, Victor Fa­rias, João Batista, Alexandre Bianco, Edu­ardo Berardo, Pedro Lopes, Luis Carlos Serapião, Kleber Reche Garcia, Andrey Navarre, Helio Boeck, Yuri Fernandes, Peter Hammer, Samir Haddad, Toma, Rick Lala, Edwin Weiler, Celso Nogueira, Ale­xandre Maranhão, Nestor China e Remo Nogueira.

Como se vê, há diversos cuteleiros ar­tesãos no Brasil, que produzem material de excelente qualidade, sendo reconhe­cidos internacionalmente, a exemplo de Rodrigo Sfreddo, que em 2009 recebeu pela American Bladesmith Society o títu­lo de Master Smith, o primeiro da Amé­rica Latina. Na ocasião, Sfreddo empatou duas de suas peças em primeiro lugar e foi premiado com o B.R. Hugues Award, concedido à melhor faca submetida a jul­gamento pelos aspirantes ao título.

Na cutelaria, como nas artes, a produ­ção artesanal, mesmo quando diminuta, tem status de artigo de luxo, único, sendo que, contrariamente à indústria em geral, há uma tendência ao trabalho artesanal da parte da maioria dos cuteleiros nacionais atualmente, para quem o avanço em ma­quinaria é visto com maus olhos (“a má­quina não apresenta a qualidade e esmero que o artesão dedica”).

Na capital mineira, existe um artesão lendário, com têmpera e temperamento de gênio: o mestre Antal Bodolay. Con­forme informações do site Cutelaria Ar­tezanal: “O senhor Antal Bodolay, um exemplo da cutelaria artesanal, começou a fabricar facas artesanais aos 15 anos e se tornou um dos maiores e melhores cute­leiros do país, sendo um dos pioneiros nessa arte no Brasil. Ele tinha preferên­cia por Bowies, modelos utilitários para defesa, e era um dos raros a produzir boas espadas. Antal, um imigrante hún­garo, desembarcou em Belo Horizonte ainda bebê. Junto com Roberto Gaeta e Padilha, fez parte de uma geração que valorizava e divulgava o melhor em facas artesanais, que ficaram conhecidas como 'faca custom'. Antal começou a forjar suas próprias facas devido a um fato no mínimo muito curioso: ele ganhou uma faca de seu pai, que, nessa época, custa­va muito caro, e com ela foi cortar um bambu. Contudo, a faca decepcionou, e muito, pois além de não cortar empe­nou. Com isso, ele decidiu que dali para frente fabricaria suas próprias facas – e assim foi. Dessa forma, correu mais de 50 anos e, neste meio século, saíram de suas mãos verdadeiras obras de arte em facas e espadas que se valorizam a cada dia.”

As peças de cutelaria artesanal, se­gundo ilustramos com as imagens desta coluna, são joias, peças de colecionador, únicas, preciosas e inusitadas. Na Univer­sidade de Brasília (UnB), considerada a segunda escola de cutelaria do mundo, existe um curso de extensão de cutela­ria denominado Curso de Cutelaria Ar­tesanal. A iniciativa se deu após a cidade promover quatro edições do Salão de Cutelaria de Brasília e é fruto da parceria estabelecida entre o Instituto de Artes da UnB e a Sociedade Brasileira dos Cutelei­ros (SBC). Outra parceira de sucesso com a SBC é a da Cutelaria Corneta, através da Escola de Cutelaria Artesanal, onde o cuteleiro Ricardo Vilar tem ministrado cursos desde setembro de 2010.

Então, para aqueles que se inflam ao dizer que não gostam de artes, mas, sim, de armas, e para aqueles outros tantos que pretendem desarmar o mundo atra­vés das artes, só posso dizer que existem lâminas infinitamente belas, obras que se integram com nobreza ao patrimônio artístico e cultural da humanidade, e que até o mais importante dos medicamentos tem de ser usado conforme uma prescri­ção de ética e de sabedoria. Assim, não podemos culpar os produtos de nossa cultura por nossa ignorância ou brutalida­de, porque somos atores de nossa histó­ria, e não vítimas. E todo uso tem a ver com uma escolha!

*Crítico de arte, estudioso de direito, filosofia, sociologia e de psicanálise e professor de judô – domingos_nogueira_consultoria@yahoo.com.br. 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.