Arte descolada

POR Domingos de Souza Nogueira Neto*

0
Criado em 13 de Agosto de 2013 Cultura
A- A A+
Quando uso a expressão “descolada ”, procuro dar a esse termo o significado de desapego ao rigor excessivo de certas normas de moral, de direito, de estética, entre outras. A “pessoa descolada” não se restringe a determinados padrões, condutas e valores, não julga em demasia e, por isso, é aceita com mais facilidade e tem a vida, por assim dizer, mais leve.
 
Ser descolado, então, é se desvincular de determinados padrões e valores para ser o que quiser e quando quiser. Mas não podemos esquecer que todos nós – como tudo o que construímos – somos estruturados sob determinados sistemas de crenças e de valores e que, então, todo o descolamento absoluto só é possível através da alienação ou da loucura.
 
E a arte? A que valores serve? Não foram poucos os que pretenderam colocá-la a serviço do Estado para demonstrar a supremacia de determinada ideologia, como o fascismo e o stalinismo. A arte a serviço da religião também é situação bem comum. A censura como interdição a ela é conhecida por todos. E a aparência, a sonoridade, assim como os diversos aspectos da arte, mudam, no tempo e no espaço, influenciados, mas não dominados, pelos diversos aparatos que lutam para domesticá-la.
 
No manifesto por uma “Arte Revolucionária Independente”, escrito em 25 de julho de 1938 pelo organizador da Quarta Internacional Leon Trotsky e pelo fundador do surrealismo, André Breton, e que faz o chamado à construção da Federação Internacional da Arte Revolucionária e Independente (Fiari), há o seguinte trecho:
 
“Em matéria de criação artística, importa essencialmente que a imaginação escape a toda sujeição, não se deixe impor filiação sob nenhum pretexto. Àqueles que nos pressionam, hoje ou amanhã, para que consintamos que a arte seja submetida a uma disciplina que sustentamos radicalmente incompatível com seus meios, pomos uma recusa inapelável, e nossa deliberada vontade de nos manter no lema: todas as licenças em arte.”
 
Mas, se é verdade que a arte não pode ser controlada por nenhum regime oficial de censura, verdade igual que não pode se prestar à divulgação da pedofilia, do racismo, da supremacia racial e da apologia à violência gratuita. Tudo isso apenas para mencionar alguns valores contemporâneos mais evidentes, lembrando apenas para ilustrar que, para alguns modelos, a divulgação da imagem de Deus ou de seus profetas pode ser considerada criminosa. Existe, então, uma linha tênue, mais perigosa, que para muitos artistas significou a morte.
 
Cena do filme “Lolita”, dirigido por Stanley Kubrick, a partir do clássico de literatura homônimo de Vladamir Nabakov/ Fotos: reprodução internet
 
Em toda cultura, há uma responsabilidade e um risco referente ao fazer artístico, que pode, ou não, tornar uma obra proscrita, indesejável, mas não necessariamente destituída de valor artístico. A obra “’Lolita” é um romance em língua inglesa, de autoria do escritor russo Vladimir Nabokov, publicado pela primeira vez em 1955. O romance é narrado em primeira pessoa pelo protagonista, o professor de poesia francesa Humbert Humbert, que se apaixona por Dolores Haze, sua enteada de 12 anos e a quem apelida de Lolita. O professor, que já conta com certa idade, desde o início se define como um pervertido e aponta como causa um romance traumático em sua juventude.
 
O romance foi objeto de polêmica acesa, censurado, banido em diversos países, para, depois, ser aceito como clássico da literatura universal e tema de filmes importantes.
 
Grandes clássicos da pintura retratam guerras, estupros, raptos, sequestros, cenas de escravidão, caçadas atrozes a animais indefesos, desde a antiguidade clássica, e, nem por isso, são considerados abominações. Ao contrário, são retratos de situações políticas, sociais e econômicas verdadeiras, interpretados pela imaginação do artista – com ou sem deleite – mas, de toda forma, eternizados.
 
Existem ainda obras de arte criadas por orientação de regimes autoritários, como o stalinismo e o fascismo, inspiradas na contraposição a outras que consideravam degeneradas. Feitas para divulgar valores cultuados por esses sistemas de poder, elas foram depois desmoralizadas e pouco a pouco são reavaliadas, no fluxo da história, para serem expostas, justamente, com as outras peças artísticas que combatiam.
 
Cabe ainda dizer que psicopatas, assassinos e rejeitados sociais dos mais diversos matizes podem produzir obras de arte valiosas, divorciadas de sua índole ou de suas histórias. Cito o exemplo do Cabo Bruno, condenado a cumprir 113 anos de prisão por fazer parte do esquadrão da morte e matar mais de 50 pessoas. Ele pintou na cadeia boas telas que vieram a ser adquiridas, inclusive, por promotores e juízes.
 
O que me parece é que, uma vez concluída a obra de arte, ela passa a existir artisticamente, independentemente da psicologia, ideologia, moral, direito e religião que lhe deram origem. Trata-se desta vida “descolada”, independe também da índole do próprio autor. Na linha desse entendimento, a crítica da obra de arte, para ser válida, deve se cingir à sua forma e ao seu argumento.
 
Com essa proposta, evita-se a falácia ad hominem em suas muitas formas, impedindo que a avaliação da obra de arte ataque, por exemplo, o caráter, as companhias, os atos externos à obra, a nacionalidade, a raça, ou a religião do artista, ou que, em outros casos, se baseie apenas na insinuação de que o artista, por ter algo a ganhar com a sua abordagem, é movido apenas pelo interesse. Teremos aí a “arte descolada” para a avaliação da crítica, mas não da censura.
 
* Estudioso de psicanálise, direito e crítico de arte – domingos_nogueira_consultoria@yahoo.com.br.

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.