Botox também trata hiperidrose (suor excessivo)

0
Criado em 14 de Março de 2013 Cuidar
A- A A+

 

POR: Dra. Adriana Lemos (CRM–32011)*

A toxina botulínica, mais conhecida pelo nome comercial de Botox® e Dysport®, vem sendo utilizada para mais uma finalidade. Além do seu uso na oftalmologia para o tratamento de contrações musculares involuntárias, e, na dermatologia cosmiátrica, para tratar as rugas dinâmicas, a toxina oferece uma boa opção de tratamento para aquelas pessoas que apresentam excesso de suor, isto é, a hiperidrose.

 A hiperidrose é caracterizada pela transpiração aumentada, além do necessário para a regulação da temperatura normal. Pode ser congênita ou adquirida, afeta 3% da população mundial e acomete igualmente homens e mulheres, entre a terceira e sexta década de vida. Pode ser generalizada ou localizada em partes específicas do corpo. Mãos, pés, axilas e virilha estão entre as regiões mais ativas da transpiração, devido à concentração elevada de glândulas sudoríparas. No entanto, qualquer parte do corpo pode ser afetada.

Impacto psicossocial: a alteração pode ser bastante constrangedora, com implicações na vida social e profissional dessas pessoas. A ansiedade causada pela autoconsciência da transpiração excessiva pode agravar o quadro, o que leva as pessoas a modificarem seu estilo de vida para se adaptar ao problema.

Frequentemente, as mãos estão frias e úmidas, o que dificulta as tarefas rotineiras, esgotando psicologicamente as pessoas portadoras do distúrbio. Isso atrapalha pegar objetos de forma segura ou pegar um papel sem molhá-lo. Um simples aperto de mãos pode se tornar motivo de angústia, assim como a tentativa de esconder embaraçosas manchas de suor nas axilas, o que pode limitar os movimentos da pessoa.

Em casos graves, as camisas coloridas devem ser evitadas e trocadas várias vezes ao dia. A transpiração excessiva dos pés dificulta os pacientes andarem descalços ou de sandálias, já que os pés deslizam por causa do suor.

Tratamento: antitranspirantes mais concentrados podem ser usados na tentativa de melhorar a hiperidrose de grau leve, principalmente, nas axilas, mas há chances de irritação da pele.

Existem dois tipos de tratamentos mais eficazes reconhecidos para a hiperidrose: o temporário (toxina botulínica) e o definitivo (cirúrgico). A toxina botulínica tipo A (Botox® ou Dysport ®) é usada para desativar as glândulas sudoríparas, através de injeções por agulhas muito finas na pele da região axilar ou das palmas das mãos. O procedimento é feito em intervalos de cerca de 1 cm a 2 cm entre os pontos, nas áreas onde a produção de suor é mais intensa. Nas palmas das mãos, deve ser realizado um bloqueio anestésico, pois a aplicação pode ser dolorosa. Tem tido bons resultados também quando aplicada nas regiões das costas (dorso), tronco e plantas dos pés.

O efeito máximo ocorre em cerca de duas semanas e o tratamento apresenta boa eficácia. Sua duração pode chegar a nove meses. É aconselhável reaplicar a toxina em intervalos de nove a 12 meses. Praticamente não ocorrem efeitos adversos. O tratamento cirúrgico é a forma mais definitiva de resolver a questão, mas pode ocorrer de o corpo suar excessivamente em áreas não tratadas, mais comumente na região lombar e no tronco. Esse fenômeno é denominado “hiperidrose compensatória” e é considerado suportável pela maioria dos operados.

Se você tem suor excessivo ou conhece alguém que o tenha, vale a pena abordar esse problema e conversar com seu médico, pois o importante é sentir-se bem, em sintonia perfeita com a vida!



 

*Membro da Academia Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia e diretora administrativa da Clínica Yaga Laser & Cosmiatria – adriana@yaga.com.br.




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.