BRONZEAMENTO COM FITA: O NOVO MODISMO DO VERÃO

Criado em 15 de Março de 2018 Cuidar
A- A A+

Recentemente, uma nova moda de verão – o famoso bronzeamento “natural” com fita adesiva e parafina – se espalhou entre as brasileiras, trazendo muitas pacientes com dúvidas a meu consultório. A “nova” técnica promete um bronzeado duradouro e sem riscos. Será?

O método consiste em colar na pele uma fita isolante ou um esparadrapo como se fosse um biquíni e aplicar parafina sobre a pele, a qual faz o papel de um bronzeador, acelerando a produção de melanina diante da radiação solar.

A melanina é o pigmento responsável pela cor da pele. A colagem da fita faz com que o bronzeado fique mais visível e crie um contraste entre a parte bronzeada e a que está coberta, livre da radiação solar. 

Para que essa técnica traga os resultados esperados, as mulheres precisam ficar expostas ao sol por cerca de uma a duas horas. Ainda que seja feita em horários em que a radiação UVB é menor, entre 10 e 16h, a alta exposição ao sol é perigosa em qualquer hora do dia, pois a radiação UVA também aumenta consideravelmente o risco de insolação, desidratação, queimaduras e câncer de pele, além de acelerar o fotoenvelhecimento cutâneo. Os riscos aumentam nas peles mais claras de fototipos 1 e 2, que são as mais sensíveis à radiação, aquelas que ficam apenas vermelhas pela queimadura solar e não se bronzeiam. Além dos danos solares, as fitas utilizadas podem causar dermatite de contato alérgica ou irritação ao serem removidas.

É importante compreender que, para se bronzear, não é preciso se queimar. Mas como adquirir um bronzeado mais seguro, sem queimaduras ou riscos? Devemos saber que o bronzeado só vai começar a aparecer 48 horas após a primeira exposição solar. Esse é o tempo necessário para que a melanina seja produzida e liberada pelas células. É um processo gradual. Portanto, não adianta exagerar no sol para tentar apressá-lo. O ideal é se expor a ele por volta das 9h, por cerca 20 minutos, aplicando generosamente o protetor solar, sempre com FPS 15 ou maior.

Lembre-se de que o protetor leva de 20 a 30 minutos para atingir sua proteção máxima e de que, mesmo com filtro solar, uma parte da radiação ultravioleta está atingindo sua pele e estimulando o bronzeamento.

Mas, em relação à peles claras de fototipos 1 e 2, não adianta insistir. Nesses casos, deve-se pensar no uso dos autobronzeadores, que independem da resposta da pele à exposição solar. São cremes, loções ou sprays à base de dihidroxiacetona (DHA), substância que provoca uma reação química na pele, escurecendo-a e conferindo uma cor semelhante à do bronzeamento. A DHA não estimula a produção da melanina, apenas reage, colorindo a pele. Não causa mal algum, a não ser naqueles que tenham alergia ao produto. A reaplicação depende do tipo escolhido e deve ocorrer em intervalos que variam de 3 a 15 dias para se manter a cor desejada. Os autobronzeadores não devem, entretanto, ser confundidos com protetores solares, pois a coloração resultante de seu uso não confere proteção contra o sol. Produtos de boa qualidade não mancham a roupa.

Agora que você já sabe a diferença entre queimadura solar, bronzeamento e autobronzeamento, pode decidir como quer tratar sua pele no verão!   

Dra. Adriana Lemos CRM 32011 | Membro da Academia Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia | Diretora Clínica e Administrativa da Clínica Yaga - Saúde, Beleza e Bem-Estar |  adrianalemos.com | @dra.adrianalemos | adriana@yaga.com.br | yaga.com.br | @clinicayaga

 

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.