Consumo, uma faca de dois gumes

0
Criado em 14 de Novembro de 2012 Comportamento
A- A A+

POR Lucas Fortunato Carneiro*

A cultura neoliberal cria, hoje, um efeito que tira o sono dos filósofos mais engajados: o ser humano assume o papel de objeto-mercadoria, e o objeto-mercadoria passa a ser o protagonista existencial.
 
A necessidade não mais dita a velocidade do consumo. O status que o consumidor quer alcançar frente à sociedade é que determina o consumo. Isso mesmo, o objeto-mercadoria é quem dita as regras, a marca, a grife, o status. Tudo isso aumenta a valorização e a imagem da pessoa.
 
Para que alguém seja aceito no grupo com que convive, ele precisa estar em uso dos objetos que todos utilizam, sejam eles necessários ou não. O efeito contrário, no caso de não haver a utilização de tais objetos, é a exclusão, o isolamento, a discriminação. Essas reações são comuns e podem ter consequências gravíssimas para a boa convivência e até mesmo para o desenvolvimento do ser humano.
 
O nível de consumo é que determina a aceitação ou não por determinado grupo. Portanto, o individuo passa a ser identificado como objeto: primeiro, por se subjugar à mercadoria; segundo, por ser rejeitado pelos iguais.
 
No universo consumista, só tem aceitação quem consegue transitar com a consciência tranquila entre as mais variadas imagens que são apresentadas. A produção acontece não para suprir uma necessidade, mas para acalentar um sonho, um desejo, um anseio de crescimento social. O humano não tem valor em seu local existencial, mas, sim, em seu potencial de compra.
 
A brutalidade consumista provoca a obsolescência do humano. Assim como os objetos se tornam ultrapassados em seu uso ou tecnologia, a pessoa se torna obsoleta. Daí, a única forma de inserção em um grupo, ou, como dizem, “tribo”, é colocando a armadura de objetos utilizados por todos. Isso faz com que aconteça a remissão do pequeno universo do comum dos mortais.
 
A divinização do consumo e dos objetos é fato que ocorre nos tempos modernos, e a grande propulsora é a mídia, que não faz distinção de classe. Tanto o pobre miserável quanto o milionário sofrem com o bombardeio midiático do consumo. 
 
As ideologias consumistas que impregnam o ser humano de propagandas e imagens usam de todos os meios para que ele não se conheça por inteiro, pois, não se conhecendo, não irá raciocinar. Osho, que, originalmente, é um título de reverência concedido a certos mestres na tradição zen do budismo, orienta: "Você vive sem se conhecer porque a sociedade não quer que você se conheça. Isso é perigoso. Uma pessoa que conhece a si mesma fatalmente será rebelde".
 
''As ideologias consumistas que impregnam o ser humano de propagandas e imagens usam de todos os meios para que ele não se conheça por inteiro, pois, não se conhecendo, não irá raciocinar''

 

Portanto, desejamos sempre libertar tudo e todos, porém, para que isso aconteça, temos que parar de oprimir, escravizar e dominar a nós mesmos por meio da satisfação enlouquecida do nosso ego. Assim ensina Osho: "O ego lhe dá imagens falsas de si mesmo. Se você carregar por muito tempo essas imagens, ficará com medo. O medo acontece porque, se sua imagem cair por terra, sua identidade será despedaçada. Quem você será? Você enlouquecerá, pois investiu muito nela. E todos pensam sobre si mesmos em termos muito grandiosos, em muito falsos. Ninguém concorda com você, ninguém o aprova, mas seu ego acha que todos estão errados. Se você deseja se conhecer, precisa abandonar suas falsas autoimagens. E aí está o problema, pois isso não é muito bonito. Você se considera uma pessoa repleta de amor, mas existem também ciúme, possessividade, ódio, raiva e todos os tipos de negatividade. Para conhecer a si mesmo, é preciso se deparar com fenômenos feios. Eles estão ali, e cada um de nós deve atravessá-los. Você tem um belo ser dentro de você, mas ele não está na periferia,
está no centro”.
 
*Educador, graduado em filosofia pela PUC-Minas, graduando em teologia e Pós-graduando em psicopedagogia pela Fumec - fortunatocarneiro@gmail.com

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.