Francisco, o papa dos pobres

0
Criado em 14 de Maio de 2013 Comportamento
A- A A+

Por Lucas Fortunato Carneiro*

Assim, atos, gestos e ações muitos simples, mas significativos, apresentam quem é o novo papa, um homem que veio dos “confins do mundo” – como ele mesmo diz –, que saiu da periferia política e social do planeta, mais especificamente, da América Latina
 
A sociedade assistiu, após a morte do papa João Paulo II, à eleição do papa Bento XVI. Recentemente, também presenciou a renúncia de Bento XVI, uma atitude que apresenta ao mundo, além de um gesto de humildade e reconhecimento das fraquezas vindas de um líder, uma lição para a humanidade que acredita e segue somente os mais fortes e mais ricos. Agora, assistimos à eleição de Jorge Mario Bergoglio, o 266º papa da Igreja Católica.
Francisco é um papa simples, que visita os presidiários, lava e beija os pés de homens e mulheres sem distinção. Busca uma Igreja seguidora do Cristo pobre e crucificado, e não uma organização não governamental (ONG) piedosa. Ele quer dar valor aos pobres, independentemente da religião e, até mesmo, aos que são ateus, porque são todos filhos de Deus. Ele é um papa surpreendente em cada ação, que não dá valor ao dinheiro, às riquezas, às ostentações e valoriza as pessoas e a criação.
Em sua eleição, o cardeal Bergoglio escutou um pedido do cardeal brasileiro Cláudio Humes: “Não se esqueça dos pobres”. Dessa forma, surge no coração do novo papa a inspiração, um sopro do Espírito Santo, ou, podemos dizer, uma tomada de consciência da verdadeira realidade do mundo. Vem, então, em sua mente: São Francisco de Assis, o santo dos pobres.
 
São Francisco de Assis é mais que uma simples devoção católica, significa um modo de vida, um jeito diferente de relacionar-se com a natureza e com as pessoas. Ele muda o seu centro existencial, sai da riqueza para viver com “a pobreza”. O santo de Assis usa de um termo que hoje faz falta em nossas relações: “a compaixão”.
Fernando Pessoa (1888-1938) afirmou: “A única atitude intelectual digna de uma criatura superior é a de uma calma e fria compaixão por tudo quanto não é ele próprio. Não que essa atitude tenha o mínimo cunho de justa e verdadeira; mas é tão invejável que é preciso tê-la”. O papa Francisco usa da palavra compaixão várias vezes. Isso é de suma importância para o início de um programa de vida e do governo de uma instituição como a Igreja Católica.
Assim, atos, gestos e ações muitos simples, mas significativos, apresentam quem é o novo papa, um homem que veio dos “confins do mundo” – como ele mesmo diz –, que saiu da periferia política e social do planeta, mais especificamente, da América Latina, para ensinar a todos que a compaixão, o estar com o outro em seus sofrimentos e realidades, é uma das poucas possibilidades que temos para nos convertermos em seres humanos melhores, com mais qualidade de relação e de compreensão da realidade.
Francisco é um papa sem luxos, que preza o contato e o olhar nos olhos. É um papa capaz de perceber o outro, que é treinado nas sofridas vilas argentinas e refinado na experiente e surpreende escola jesuíta. Ele nutre em seu coração a mesma ternura e vigor de São Francisco de Assis. É um homem que testemunha “que o amor tem razões que a própria razão desconhece”, Pascal (1623-1662).
 
*Educador, graduado em filosofia pela PUC Minas, graduando em teologia e pós-graduando em psicopedagogia pela Fumec - fortunatocarneiro@gmail.com

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.