grafite por mãos femininas

Talento

Criado em 19 de Outubro de 2015 Talento

Fotos: Acervo Pessoal

A- A A+
As Minas de Minas, quarteto de mulheres que se uniram para colorir o mundo, estão fazendo sucesso grafitando espaços públicos de Belo Horizonte e de outras cidades mineiras
 
Luna Normand
 
MUROS GRAFITADOS COM CHARMOSOS desenhos chamam a atenção de quem transita, a pé ou de carro, pela capital mineira. O feito é de um quarteto, ou melhor, de um “crew de mulheres” (no inglês, "crew" quer dizer "tripulação") que, há três anos, espalha cores,
letras e personagens por onde passa. O nome? Minas de Minas, uma referência a Minas Gerais e ao sexo feminino, já que “mina”, na linguagem do hip hop, significa “mulher”. O grupo é formado pelas amigas Carolina Jaued (Krol), 26 anos, Louise Líbero (Musa), 28, Nayara Gessyca (Nica), 28, e Lídia Soares (Viber), 29, que se conheceram por meio da paixão em comum, o grafite. Todas já pintavam
individualmente e com outros grafiteiros de Belo Horizonte.
 
Com o Minas de Minas, elas não só transformam espaços públicos em obras de arte, como também buscam ser uma referência do hip hop no Brasil, contribuindo para o crescimento do estilo por aqui. Por enquanto, é o único “crew” só de grafite feminino em atuação no país. “Desejávamos expandir a ideia de que novas mulheres pudessem se juntar ao movimento. Por isso, criamos o Minas de Minas. É cada vez mais necessário o empoderamento do ser mulher, principalmente quando se está à frente de algum movimento. É com essa base que nós, grafiteiras, sentimos a necessidade de unir forças e ideias”, afirmam Krol e Viber.
 
Grafite, segundo o dicionário Aurélio, significa “desenho, inscrição, assinatura ou afim, feito com tinta, geralmente de spray, em muros, paredes e outras superfícies urbanas”. Muitas vezes, a arte é confundida com pichações. Todavia, as diferenças são grandes, de acordo com as minas. “As pichações são caligrafias mais simples; já o grafite tem se direcionado mais para a criação estética, com texturas, temáticas e cores. Pode-se dizer que o grafite é algo que se volta para o mundo artístico, e a pichação tem outros interesses”.
 
Os desenhos para a montagem dos muros, chamados de rascunhos, são feitos em casa. Depois, as quatro juntam as ideias para a criação final do layout nas ruas da capital e até em cidades do interior. Geralmente, em dois dias, no máximo, elas grafitam um muro completo, dependendo do tamanho. Mas, para executarem o trabalho, solicitam autorização do proprietário do imóvel ou do poder público.
 
A inspiração vem do cotidiano e da própria vida de cada uma delas, que, paralelamente, à atividade, tem uma profissão. Carolina é publicitária. Louise e Nayara são empresárias, e Lídia é artista. “Hoje, nosso crew tem uma diversidade de estilos. Duas integrantes grafitam personagens; outras duas, letras. Não levamos os desenhos para o lado feminino, apenas retratamos o trabalho de cada uma. Juntas, funcionamos bem”, dizem.
 
 
PRECONCEITO
Por ter surgido a partir da pichação, o grafite é um arte que ainda esbarra no preconceito. Segundo Krol e Viber, ainda existe discriminação, mas a aceitação vem crescendo pela postura que grafiteiros e artistas têm adotado para a conquista de espaço na
sociedade. “Não somos reconhecidos como artistas mais pelas autoridades do que pela própria população”, garantem.
 
Perguntadas sobre o número de mulheres que praticam o grafismo, elas respondem que, embora, na capital mineira, ele ainda seja pequeno, tem aumentado, nos últimos anos, de maneira geral. A principal barreira é o machismo, que resulta, muitas vezes, na violência verbal. “Sofremos isso por sermos mulheres ocupando o espaço público e estarmos ali fazendo arte, deixando de executar outras tarefas do dia a dia. E o preconceito não vem só dos homens; também está presente na figura feminina. Muitos se acham no direito de mexer em nossos materiais ou de fazer piadinhas simplesmente porque somos mulheres”, ressaltam.
 
Elas afirmam que a rua é sempre um desafio e, por isso mesmo, a cada pintura, as quatro integrantes do Minas de Minas estão mais experientes e preparadas para conviver com o cotidiano da cidade, onde tudo acontece. E, se, fora de casa, as meninas ainda têm que lidar com a discriminação, dentro dela, elas contam com o apoio da família. “Nossos familiares são o nosso maior apoio. Acompanham, em todos os momentos, tudo que fazemos”, revelam.
 
VAIDADE
E não é porque a atividade é trivialmente masculina que Krol, Musa, Nica e Viber descuidam da vaidade. Maquiagem e acessórios
fazem parte da rotina tanto quanto sprays e pincéis. “Não temos um estilo específico de vestuário por conta do grafite. Nós nos produzimos como qualquer mulher. Usamos short, vestido, calça legging, maquiagem, cabelo solto, brincos e unha pintada”, confessam.
 
Para o futuro do Minas de Minas, Krol, Musa, Nica e Viber preparam vídeos das produções, a divulgação do próprio documentário no programa “Triângulo das Geraes”, exibido no canal Cine Brasil TV, e a criação de um grande painel . “Também queremos viajar por todo o Estado e lançar a marca Minas de Minas”, antecipam. Por enquanto, o crew é fechado e, por isso, não há como fazer parte do grupo.
 
MAIS INFORMAÇÕES:
Facebook: minasdeminas
Instagram: @minasdeminascrew
Email: minasdeminasbh@gmail.com
Telefone: (31) 9824-4062

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.