Missão possível: altruísmo em prática

Empresário Anderson Borges assume a presidência da Organização Regional de Combate ao Câncer e o compromisso de inaugurar em Betim grandes reforços no atendimento oncológico

Criado em 10 de Outubro de 2019 Entrevista
A- A A+

Carioca da gema radicado em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, desde os 10 anos, o empresário do setor automotivo Anderson Borges, de 57, assumiu recentemente um novo e importante desafio no município em que firmou raízes. Desde março, ele é o presidente da Organização Regional de Combate ao Câncer (Orcca), uma instituição sem fins lucrativos de apoio a pacientes em tratamento contra o câncer e de assistência aos respectivos familiares.

Oficialmente em atividade desde 2009 – a ideia surgiu ainda na década de 90 –, a Orcca, hoje, soma centenas de atendimentos mensais. Somente em julho, foram 410, ao todo, em assistência social, nutrição, psicologia, auxílio jurídico, odontologia, fisioterapia e farmácia. No mesmo mês, a organização ofertou cerca de 1.500 benefícios, como materiais para curativos, medicamentos, refeições e fraldas geriátricas, de acordo com balanço divulgado pela instituição.

 

Agora, a Orcca se prepara para tirar do papel dois dos projetos mais aguardados: as construções de um hospital-dia oncológico e do primeiro Hospital de Tratamento do Câncer de Betim. Nesta edição da Mais, o novo presidente da organização fala sobre os planos dele na gestão da instituição e relembra parte de uma história que teve início há 13 anos.

Quando e como surgiu sua relação com a Orcca?

Em 2006, fui convidado pelo doutor Victor Hugo de Lisboa Rodrigues [um dos fundadores da instituição] para participar de um projeto de acolhimento de pessoas que precisavam da assistência que nenhum governo pensou em dar. Naquele momento, me perguntei: “qual o propósito disso?”. Refleti e percebi que aquele projeto era muito humano e decidi abraçar a causa como voluntário. Vieram os doutores Charles de Pádua, Bruno Aragão, e muitos outros médicos para agregar ao projeto, e confesso que houve muitas dificuldades para dar início a tudo. Não podemos nos esquecer de mencionar o José Barboza [vice-presidente da Orcca], presidente da CDL [Câmara de Dirigentes Lojistas] de Betim, e o Alex Muller, que fez o planejamento estratégico da Orcca e, com seus projetos dinâmicos, possibilitou que ela, hoje, alcançasse a sustentabilidade. Sempre acreditando no projeto, fui participativo desde 2006, e decidimos criar estratégias para arrecadar fundos, uma forma de a sociedade participar diretamente. Então, surgiram o bingo, a feijoada e o baile da Orcca.

E o que o motivou a assumir a presidência da organização?

No começo, o convite foi uma surpresa decidida pelos diretores. Senti-me lisonjeado, mas nunca imaginei ter esse título, pois não sou médico. Então, lembrei quando minha mãe dizia “filho, estude medicina”, mas eu entendi “oficina”. Nada é em vão. Os doutores me colocaram em uma posição em que a parte técnica é deles, mas o restante é nosso! Quero agradecer a eles pela confiança e espero nunca decepcioná-los. Juntos, podemos ir mais longe.

Como tem sido a experiência de conciliar suas atividades de empresário com as da presidência da Orcca?

É um desafio. Preciso me organizar para deixar os dois funcionando com dinamismo, mas meu trabalho com a instituição é prazeroso, não é um peso. Saber que estou contribuindo para a vida de alguém me faz bem.


Como presidente, quais são seus projetos para a entidade em curto e médio prazos?

Construir o hospital-dia oncológico, que nos propusemos a desenvolver, dando continuidade ao acolhimento. Depois, construir o Hospital do Câncer de Betim, que vai contribuir muito com a sociedade, pois queremos trazer uma infraestrutura altamente eficaz na área da oncologia.

Com base na sua experiência dos últimos cinco meses, o que o senhor considera mais desafiador na gestão de uma instituição filantrópica como a Orcca, que é voltada para a assistência à saúde?

As cobranças são grandes, e os desafios, maiores ainda. O maior deles é manter a organização, captando recursos para conseguir alavancar os projetos, que, devido à grandiosidade, não conseguimos fazer tão rapidamente. A fim de seguir com transparência e seriedade, temos um consultor que nos auxilia na gestão, e, assim, tentamos sempre trabalhar com metas.

A Orcca tem um projeto de construção do Hospital de Tratamento do Câncer de Betim. Quais são as novidades em relação a essa iniciativa?

Primeiramente, vamos construir o hospital-dia. Sobre o Hospital de Tratamento do Câncer, o projeto está pronto, temos mais de 200 empresários engajados para nos ajudar no custeio. O valor é baixo em relação a tudo que precisamos para a construção, mas estamos firmes e focados nessa missão. Vamos realizar esse sonho!

Que mensagem o senhor deixa para que as pessoas se solidarizem e apoiem a organização?

Minha mensagem é: não perca a esperança! Você não está sozinho. Se você ainda não conhece a Orcca, será um prazer apresentá-la. Além do trabalho com pacientes, damos assistência às famílias. Sobre ajudar a instituição: tudo que já foi feito pelo senhor Charles de Pádua, que é nosso eterno presidente, vamos continuar fazendo, para que as coisas aconteçam. A Orcca é uma instituição séria, e poder receber sua ajuda será um prazer. Não apenas financeiramente, mas com seu apoio e seu carinho, doando tempo e atenção a quem precisa.

Obrigado!


SERVIÇO
Orcca
Rua Hum, 337, Jardim Brasília | Betim
Atendimento: de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h
contato@orcca.org.br
(31) 3595-3882

 

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.