Novos passos, novos caminhos, um novo Brasil

POR Lucas Fortunato Carneiro*

0
Criado em 20 de Setembro de 2013 Comportamento
A- A A+
E o que mais agride a reflexão é imaginar que muita gente ainda dizia: “Fiquemos tranquilos, isso não vai acontecer aqui, afinal, somos o país do carnaval, do futebol e das mulatas que sambam”. Não esperávamos, mas aconteceu. Como diz verso de Drummond que virou bordão: “E agora, José?”.
 
O DESEJO ARDENTE POR MUDANÇAS atingiu o coração do povo brasileiro nos últimos tempos. Mas o que será que despertou este “gigante” que dormia em berço esplendido? Foi o barulho da corrupção, ou o espinho na carne chamado pobreza? Complexa e profunda é a reflexão, porque nos atinge frontalmente e nos remete a um questionamento existencial. Não pense você, meu (minha) querido(a) leitor(a), que essa pergunta não passa pela sua mente, pois ouso afirmar que, sim, ela passa: “Qual o meu lugar neste mundo?”, ou melhor, “Qual o meu lugar nesta primavera?”.
 
Creio que a palavra-chave para a nossa reflexão seja a “vigilância”. Não podemos refletir seriamente se não vigiarmos (sempre no sentido de estar atento), constantemente, com olhos e ouvidos bem abertos e coração pronto para acolher o novo e tudo o que pode ser oferecido a nós, enquanto sociedade.
 
Como espectadores sem ação, assistimos os países do Oriente se digladiarem nas ruas. Mas qual a causa? Será uma utopia ou simples jogo político para, mais uma vez, o poder ser tomado por pessoas ainda mais sedentas de poder e de privilégios? E o que mais agride a reflexão é imaginar que muita gente ainda dizia: “Fiquemos tranquilos, isso não vai acontecer aqui, afinal, somos o país do carnaval, do futebol e das mulatas que sambam”.
 
Não esperávamos, mas aconteceu. Como diz verso de Drummond que virou bordão: “E agora, José?”. Idosos e crianças, jovens e adultos, todos na rua gritando, clamando por um país possível e mais justo, onde a transparência seja a palavra de ordem e o orgulho de liderar a pátria amada seja ação necessária e cotidiana.
 
Esperar é algo que não gostamos. Achamos monótono e enfadonho, afinal, quem não se aborrece em uma fila de banco ou na sala de espera de um consultório médico? No caso do Brasil e de tantos outros países, o esperar passou a ser combustível para os protestos. De tanto esperar, o povo se cansou e saiu do seu lugar na arquibancada, onde apenas recebia pão e circo .
 
Seria injustiça de minha parte englobar todos os brasileiros neste sentimento, pois se sabe que muitos não concordam e acham tudo isso uma “barbárie”, aliás, algumas mídias fazem questão de enfatizar esses manifestos como “gestos brutais e bárbaros”. Onde está o nosso tesouro e o nosso coração? Pergunto a você, leitor(a). Não sei qual será a sua resposta, mas busque sempre vigiar e meditar sobre essa pergunta, que é tão valiosa nos tempos de primavera em que vivemos.
 
Devemos valorizar este momento, buscar entender os motivos por que tanta gente tenha organizado uma mobilização tão grande e com tamanha força. E não precisa ser cientista político ou filósofo para pensar sobre esses assuntos. Basta ser humano o suficiente para poder perceber que o sofrimento não pode ser o nosso meio de transporte, a nossa forma de saúde, a nossa forma de governo e, muito menos, a nossa forma de viver.
 
Mortos, feridos, injustiças das quais jamais tomaremos conhecimento estão acontecendo por aí. E nós, o que podemos fazer? Creio que mudar o mundo só será possível se o meu sonho for possível, se ele for necessário, para que eu possa acordar, todos os dias, e dizer para minha própria consciência: “Sou capaz e vou mudar o que é meu”. Sonhar, todos nós podemos. Realizar esses sonhos, só aqueles que acreditam, de coração, conseguem.
 
Não podemos ter medo de nossa consciência, seja ela qual for. A libertação de todos os medos não é uma ideia, não é uma técnica, mas é uma pessoa, você. Mude, nem que seja seu quarto, sua casa, sua mesa de trabalho; e tenha certeza de que você vai conseguir enxergar coisas que desconhecia. A partir daí, você vai poder respirar fundo e gritar: “ Vem pra rua”.
 
*Educador, graduado em filosofia pela PUC-Minas, graduando em teologia e Pós-graduando em psicopedagogia pela Fumec - fortunatocarneiro@gmail.com



AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.