O céu não é o limite

0
Criado em 16 de Maio de 2013 Esportes
A- A A+

 

Um dos esportes mais radicais do mundo, o paraquedismo ganha cada vez mais adeptos por unir adrenalina, sentimento de liberdade e segurança
 
 
 
 
Cristina Guimarães
O desejo de voar não é de hoje. Na mitologia grega, Dédalo – um dos homens mais criativos e habilidosos de Atenas, conhecido por suas invenções – projetou, com penas, asas para seu filho Ícaro voar. Na China, o paraquedismo começou há 2.000 anos. Os chineses realizavam saltos de torres com imensos guarda-sóis para abrilhantar festas imperiais.
Hoje, o paraquedismo é um dos esportes radicais mais praticados no mundo e exige do desportista um estudo contínuo sobre segurança. O presidente do clube mineiro de paraquedismo Paladinos do Espaço – clube mineiro que existe há quase 50 anos –, Dermeval Athayde Júnior, conta que o esporte é regulamentado pela Federação Aeronáutica Internacional (FAI), porque envolve aeronave e espaço aéreo. “É por meio desse órgão que os recordes em aeronáutica e astronáutica são registrados oficialmente”.
 
A aplicação das normas, junto com a técnica, o bom senso e o respeito ao esporte, é sempre aliada à segurança. Júnior pontua que, para os alunos, os riscos são mínimos, já que para a prática são utilizados equipamentos com todos os itens de segurança disponíveis, como dispositivos de acionamento automático, velames (principal e reserva) próprios, rádio de comunicação e, o mais importante, os adeptos fazem o que os instrutores ensinam. O risco está na atitude do paraquedista. A maioria dos acidentes ocorre no
pouso, com profissionais experientes que acabam ultrapassando os limites do esporte.
 
O instrutor de paraquedismo do Paladinos do Espaço Ricardo Siqueira e a funcionária pública Margareth Carvalho se preparando para mais um salto
 
Saltador há seis anos, o militar do Exército Brasileiro Adriano Neves Coelho afirma que o paraquedismo é muito seguro. “Sou praticante de outras modalidades de esportes radicais desde adolescente e, por incrível que pareça, o paraquedismo ganha em segurança por utilizar os equipamentos seguros e obrigatórios. Os instrutores têm um alto nível técnico e, em alguns saltos, são usados dois paraquedas, equipados com dispositivo de abertura automática, altímetro e capacete com rádio receptor, que serve para o instrutor de solo orientar o aluno na navegação. Nunca sofri nenhum acidente”, salienta.
Para iniciar a prática, é obrigatório um atestado médico provando a capacidade física para o salto. Após serem realizados os exames e a consulta médica, chega o momento de procurar um clube de paraquedismo, que deve ser filiado à Federação Mineira de Paraquedismo (Paramig). A partir daí, o interessado tem de passar por um curso.
 
O instrutor de paraquedismo do Paladinos do Espaço, Ricardo Coutinho de Siqueira, dá outras orientações importantes. “É imprescindível ter certeza de que o instrutor está habilitado pela Confederação Brasileira de Paraquedismo (CBPq), assegurar- se da qualidade dos equipamentos e se a dobragem do paraquedas reserva está no prazo de validade. Convém também obter informações sobre a aeronave e sobre o piloto envolvido nos lançamentos”, frisa.
A funcionária pública Margareth Alves Carvalho seguiu esse caminho. Conhecer a sensação de estar em queda livre a levou ao Paladinos. Ela fez o curso Accelerated Static Line (ASL) e partiu para o primeiro salto. Depois disso, diz que não quer parar mais. “A emoção de poder voar, mesmo que por pouco tempo, nos dá mais poder para administrar e superar as adversidades”.
Para aqueles que querem participar de competições, o investimento financeiro é bem alto, mas, se a pessoa quer apenas fazer uso do esporte como lazer, o custo para realizar cerca de seis saltos por mês é entre R$ 600 e R$ 1.000. Isso no caso de o paraquedista ter seu próprio equipamento.
 
De onde saltar?
A atividade é intensa em São Paulo, principalmente, em Boituva. Os Estados do Sul e do Rio de Janeiro também têm locais para a prática do esporte. Em Minas Gerais, há poucas opções: Divinópolis, Juiz de Fora e Barbacena. Os espaços em Conselheiro Lafaiete e na Serra do Cipó, atualmente, estão fechados para reformas. “A realidade do cenário nacional é restrita à disponibilidade de aeronave, equipamentos e instrutores. Em Minas, existe um movimento para tentar mudar isso, e o nosso clube busca, de todas as formas, recurso para investir nessas diretrizes”, conclui o presidente do Paladinos.

 

 
Fotos: Paladinos do Espaço/Divulgação
 
O clube de paraquedismo Paladinos do Espaço oferece cursos de formação de paraquedista, saltos duplos e realiza saltos de demonstração em datas festivas. Informações pelo telefone (31) 8822-0197 e pelo e-mail clubedeparaquedismo@gmail.com



AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.