O papel social das mulheres

0
Criado em 06 de Setembro de 2012 Comportamento
A- A A+

POR Lucas Fortunato Carneiro*

O papel social da mulher hoje é fruto de uma longa e desgastante evolução frente a uma sociedade fundamentalmente machista e preconceituosa. Devem-se buscar as raízes do papel fundamental da mulher na sociedade, e o marco inicial para tal reflexão é a sociedade grega, modelo da ocidental.

 A mulher, nas sociedades primitivas, era vista como simples meio de reprodução e também como mão de obra. Enquanto os homens caçavam e cuidavam da segurança do grupo e da relação com outros grupos, as mulheres se dedicavam às lavouras, coletavam alimentos na floresta, cuidavam dos filhos e da casa. Mas será que há modificação nesse modelo? Se observadas de forma histórica, décadas atrás essas tarefas eram inerentes ao sexo feminino, e, ainda hoje, em algumas culturas, é predominante essa visão sobre a mulher.
 
Não quero aqui acusar culturas ou agir de maneira colonialista, impondo uma visão ocidental sobre a mulher ou o seu papel social, mas pretendo buscar nesses fatos uma fonte de reflexão sobre a mulher e sua evolução social.
 
Na Grécia, a cidadania modificava-se, mesmo que sutilmente, dependendo da pólis em que é analisada. Em Atenas, utilizava-se um modelo; em Esparta, outro. De modo geral, a cidadania grega pertencia aos filhos de gregos nascidos na Grécia, homens maiores de idade, geralmente com 21 anos, livres e que não podiam depender de outras pessoas, inclusive de seus pais e parentes. Escapavam à cidadania as mulheres, os escravos, os estrangeiros, as crianças e os adultos que dependiam de outros.
 
Ao se visualizar esse modelo de cidadania grega, a mulher está totalmente descriminada, ou melhor, seu papel nessa sociedade é limitado e específico. A mulher grega vivia confinada em sua casa, organizando as funções domésticas, estando totalmente submissa ao marido. Não se vislumbrava mais nada em relação à mulher e à sua influência social.
 
Nos fins da antiguidade, algumas culturas reconheciam na figura feminina algumas qualidades bem específicas e até superiores às dos homens, como contato com os deuses e certos encantamentos, que influenciavam os mais variados setores sociais. Na Idade Média, esse papel começou a ser combatido, e se impôs um pensamento de rebaixamento do feminino em relação ao masculino.
 
A mulher se tornou causa ou caminho do pecado; até mesmo em textos bíblicos, há variadas citações de rebaixamento da mulher. Mas me questiono: por que não buscar as grandes personagens femininas que existem na Bíblia, como Ester, Rute, Maria Madalena e Maria, mãe de Jesus? Por que não valorizar o espírito aguerrido e a ousadia dessas mulheres e de tantas outras?
 
A mulher grega vivia confinada em sua casa, organizando as funções domésticas, estando totalmente submissa ao marido

A religião, em suas mais variadas expressões, seja no Ocidente ou no Oriente, coloca sobre a figura da mulher uma carga imensa, estiliza uma imagem demonizada e até mesmo discriminatória. Desvalorizar o feminino na Idade Média foi uma  estratégia básica para manter os poderes eclesiástico e social, mas isso, é claro, não impedia que, naquela época, houvesse mulheres com senso aguçado de liderança e altamente intelectualizadas.

Surgiu, então, a sociedade moderna, em suas mais variadas revoluções, que apresenta a mulher com um novo perfil. A mulher buscava o seu espaço, e o primeiro e importantíssimo passo foi a conquista do direito ao voto. Mas não foi só isso, houve também a entrada no mercado de trabalho, o aumento do nível de competitividade e até mesmo da competência e da agilidade para executar tarefas. Fica evidente o quanto isso contribuiu para um novo posicionamento do feminino nas relações.
 
Será que hoje, mesmo tendo consciência de toda a evolução feminina, a mulher não cria o homem para ser dominante? A mulher que se predispõe à maternidade não cria seu filho para dominar? Não será essa criança o sintoma de submissão  ainda hoje presente?
 
Essas questões somente as portadoras da essência feminina podem responder. Enfim, existe uma inversão de papéis: em alguns casos, a mulher é que se apresenta para o cotidiano pesado e muito atarefado, e o homem fica em casa para cuidar das crianças e dos afazeres domésticos, isso sem contar também a mudança de mentalidade de alguns homens, que se colocam prontos para ajudar a mulher nas mais variadas funções.
 
Portanto, a mulher hoje é sinônimo de radicalismo, de ousadia, de uma feminilidade mais sensual, de inteligência e trabalho minucioso, personagem fundamental nos meios sociais e também figura central de muitas revoluções comportamentais e de pensamento. A mulher, com o seu dom de gerar vida, faz transformar-se a sociedade e, a cada dia, mostra que o feminino faz evoluir a essência do masculino.
 
*Educador, graduado em filosofia pela PUC Minas e graduando em teologia - fortunatocarneiro@gmail.com

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.