Os espelhos de Narciso

0
Criado em 20 de Fevereiro de 2013 Cultura
A- A A+

POR Domingos de Souza Nogueira Neto*

 

 

O mito de Narciso – o homem apaixonado por si mesmo – inseminou na cultura, na arte e na psicanálise valores estéticos e culturais cujos desdobramentos são ilimitados. Da obra de Sigmund Freud, de Lacan, à música de Caetano Veloso e do Barão Vermelho, passando pela pintura de Caravaggio, Nicolas Poussin, Turner, Salvador Dalí, Waterhouse, e considerando ainda a literatura de Ovídio, John Keats, Stendhal, André Gide, Oscar Wilde, Fiódor Dostoiévski, e mesmo de Paulo Coelho, em seu alquimista, Narciso e o narcisismo estão em toda parte. 
 
Existem várias versões sobre a história de Narciso. Na mais usual, ele era filho do deus-rio Cefiso e da ninfa Liríope. A beleza de Narciso era indescritível e, apaixonado por si mesmo, ele não percebia ninguém mais e se julgava a imagem de um Deus.
 
A lenda continua quando a ninfa Eco se apaixona por Narciso e é ignorada por ele, que só tinha sentimentos por si próprio. Tomada de amor, a ninfa definha, até desaparecer, tornando-se apenas um murmúrio.
 
Os deuses, inconformados com a postura de Narciso, levam-no a debruçar-se sobre uma fonte de água e, ao ver refletida a própria imagem, ele fica completamente apaixonado e, assim, paralisado até morrer.
 
O que incomoda em Narciso – e o que é realmente importante – é a indagação sobre a relação entre nós e os outros, e também aquilo que em nós é cego e perigoso, quando olhamos para nós mesmos. Quem não se lembra de Caetano Veloso,  em “Sampa”, quando diz: 
 
Quando eu te encarei
Frente a frente
Não vi o meu rosto
Chamei de mau gosto o que vi
de mau gosto o mau gosto
É que Narciso acha feio
o que não é espelho
E a mente apavora o que ainda
Não é mesmo velho
Nada do que não era antes
quando não somos mutantes.
Todos já estivemos diante daquela pessoa arrogante, vaidosa, que não admite ser questionada e com a qual o diálogo é demorado e até perigoso. Poucos de nós já perceberam pessoas assim em si mesmas ou sequer imaginaram que podiam ser assim. Verdade ou não?
 
E é aí que os espelhos são importantes, a arte, a cultura, porque são os espelhos que nos mostram quão parecidos e diferentes somos de nossos deuses.
 
Mas existe outro espelho que estará sempre em frente de nossa face, para onde quer que nos viremos: o comportamento dos outros em relação a nós. Não podemos escapar dele. Os outros nos dizem quem nós somos!
 
Narciso (1594 - 1596), por Caravaggio
______________________________________________________________
*Estudioso de psicanálise e crítico de arte e cultura
domingos_nogueira_consultoria@yahoo.com

 




AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de Revista Mais. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Revista Mais poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.